«

»

Fev 01

Missões à Lua canceladas!

NASA

Após um estudo do Relatório Final, e de ter em atenção o que se podia gastar no Orçamento, a administração Obama cancelou o programa Constellation! Não vai haver Orion, nem Ares. Ou sejam, os EUA já não vão à Lua.

Leiam aqui, para onde vai ser enviado o dinheiro.
Vai haver uma aposta na Estação Espacial Internacional, que se vai manter até 2020.
Vai haver uma grande aposta no sector privado. 6 biliões de dólares vão para o incremento de vôos comerciais, como podem ler aqui. Esse sector privado levará os astronautas para o espaço.
14 milhões vão para uma missão ao Sol.
60 milhões vão para estender a Missão Cassini no sistema de Saturno até 2017! Excelente!
Outros fundos vão para se detectar melhor asteróides perigosos.
Vai também haver uma maior aposta na educação e na divulgação de assuntos astronómicos, com 146 milhões de dólares.
Leiam também, aqui, aqui, e aqui.
Leiam também este artigo do Público.
Leiam também este artigo da Teresa Firmino.
Leiam também este excelente artigo do conhecido Phil Plait, que gosta especialmente na aposta nos privados.
Leiam também este artigo do Jack Schmitt, o único cientista a ir à Lua.

Qual é, afinal, a minha opinião sobre este assunto?
O que penso sobre este cancelamento das missões humanas?

Após falar com alguns astrónomos, e de ver várias entrevistas na TV quer a antigos astronautas, quer a personalidades com peso quer na NASA quer no futuro da astronáutica a nível privado, fiquei com algumas sensações:

1 – Onde estão as vozes críticas? Começo a achar que tudo o que o Obama faz é logo assumido como correcto.

2 – Têm razão quando dizem que o programa anterior do Constellation estava a derrapar fortemente em termos orçamentais, e que provavelmente não valeria a pena continuar com algo que estava a dar tantos problemas monetários. Além disso, para financiar o Constellation, estavam a ser canceladas várias missões científicas.

3 – Tal como Aldrin, Armstrong, Kranz, e muitos outros (de que tenho falado neste blog), acho que a re-ida à Lua era um desperdício. Era ir “buscar mais uma t’shirt quando já se tinha uma”.

4 – Compreendo que achem que a NASA é boa é em missões robóticas (vejam os actuais Rovers em Marte, as várias sondas que orbitam Marte, e a Cassini em Saturno, por exemplo), e daí que deve privilegiar essa vertente (o seu ponto forte), em vez da “propaganda” humana que tem mais custos, mais problemas de segurança, etc.

5 – Também compreendo que a NASA deve ser mais científica do que tem sido, e daí que um aumento do tempo de vida da Estação Espacial Internacional permite fazer mais experiências científicas. Ou seja, os cientistas em geral até ficaram satisfeitos com este maior ênfase na ciência.

6 – Acho que a aposta na educação é essencial. Mas comparando os orçamentos anteriores, a aposta não é significativa.

7 – Penso que se esquecem da visão de futuro, e do factor inspiração que era uma das características principais da NASA.
Tal como Aldrin, Armstrong, Kranz, e muitos outros, acho que falta uma grande e inspiradora visão de futuro.
O poder principal do programa Apollo não foi a parte científica, que isso poderia-se conseguir com missões robóticas, mas foi sim o poder inspirador que fez sonhar várias gerações.
Esse poder para inspirar, paradoxalmente tendo em conta os discursos de campanha de Obama, perde-se com esta nova (fraca) visão do futuro.

8 – Penso assim, que este novo caminho da exploração espacial fica muito aquém das expectativas. Onde estão, por exemplo as missões a asteróides ou missões a Marte? São inexistentes.

9 – Vários já afirmaram que esta é uma mudança de paradigma que já deveria ter acontecido há muito tempo. Passo a explicar: dizem que a NASA estava demasiado ligada às formas de pensar do passado, e deve é olhar para o futuro e unir-se ao que deve ser o futuro da conquista espacial.
a) Neste sentido, a NASA deve estar sempre na “crista da onda” das inovações tecnológicas (com, por exemplo, os astronautas “Tweetarem” a partir da Estação Espacial Internacional). Mas isso, para mim, é só uma operação de “cosmética” superficial para parecerem mais “cool”. Se ajuda na divulgação ou na inspiração de uma geração inteira? Duvido.
b) A NASA deve também mudar radicalmente a visão de que só ela tem o “controlo” do espaço, e deve dar mais valor a quem vai ser o futuro da exploração espacial, que é a vertente comercial. Aí, até concordo. Não concordo, como vão fazer, que é “passarem a pasta” dos lançamentos para o sector comercial – acho que cada um devia ter o seu lugar -, mas concordo que devem fazer mais pelo desenvolvimento comercial do espaço, que é onde está o $$$. E várias empresas comerciais já foram escolhidas, como podem ler aqui.
Acho que a aposta no sector privado é essencial e excelente! Serão eles os próximos a chegar à Lua?

10 – E, lá está, tudo passa pelo $$$.
Mas continuo a afirmar que falta a tal visão inspiradora; faltam os grandes projectos que fazem sonhar; falta, nomeadamente, uma Missão Humana a Marte.

Cada vez aposto mais nos Chineses para essas grandes Missões Humanas…

Acerca do autor(a)

Carlos Oliveira

Carlos F. Oliveira é astrónomo e educador científico.
Licenciatura em Gestão de Empresas.
Licenciatura em Astronomia, Ficção Científica e Comunicação Científica.
Doutoramento em Educação Científica com especialização em Astrobiologia, na Universidade do Texas.
Criou e leccionou durante vários anos um inovador curso de Astrobiologia na Universidade do Texas.
É actualmente Research Affiliate-Fellow em Astrobiology Education na Universidade do Texas em Austin, EUA.
Trabalhou no Maryland Science Center, EUA, e no Astronomy Outreach Project, UK, recebeu dois prémios da ESA, e realizou várias palestras e entrevistas nos media.

6 comentários

Passar directamente para o formulário dos comentários,

  1. Filipe Costa

    Muito agradecido a si e a toda a equipa por despenderem do vosso tempo para nós.

  2. Luís Lopes

    Em minha opinião o cancelamento do Constellation foi uma decisão acertada. O projecto necessitaria de recursos financeiros enormes e teria um retorno científico duvidoso. Mais, a decisão de apostar na iniciativa privada para a colocação em órbita de pessoas e payloads é excelente. Se o plano do Obama resultar os EUA terão várias empresas ligadas a tecnologias aeroespaciais a realizar serviços competitivos e provavelmente absorverão muitas das pessoas que sairão da NASA. O melhor é que não terá de ser a NASA a fazer trabalho de sapa. Já basta o impacto brutal do Space Shuttle no orçamento da NASA ao longo destas décadas.

    Gostaria de ver a NASA a realizar trabalho de ciência fundamental, desenvolvimento de novas tecnologias e a apostar fortemente na disseminação desses conhecimentos. Parece-me, pelo que li, que essa é a direcção proposta.

    Outro ponto fundamental reside na cooperação internacional. Nos tempos que correm as missões tecnologicamente mais arrojadas necessitam do envolvimento de mais do que uma agência. Veja-se o exemplo das missões Darwin (ESA) e TPF (NASA). Ambas estão moribundas por falta de financiamento e parece-me também alguma descrença na tecnologia necessária. Uma colaboração financeira e tecnológica permitiria certamente melhorar as perspectivas de sucesso para uma tal missão.

    Quanto às grandes missões e à inspiração colectiva, parece-me que damos demasiada importância ao facto de serem protagonizadas por humanos (e.g. missão a Marte). Há missões que constituem desafios tecnológicos extremamente complicados e que poderiam funcionar como esse factor aglutinador de consciências. Pessoalmente, preferiria no meu tempo de vida ver as primeiras imagens de uma outra "Terra" a algumas dezenas de anos-luz de distância obtidas por uma uma missão do tipo Darwin+TPF do que ver os primeiros passos do homem em Marte.

  3. Carlos Oliveira

    Concordo que foi uma decisão acertada o cancelamento.

    Era um desperdício ir novamente à Lua.

    Concordo também com a aposta nas empresas privadas.

    Não concordo com o último parágrafo.

    O Spirit e Opportunity têm feito um trabalho monumental! Muito mais do que os Homens que estiveram na Lua, por exemplo.

    Mas será que quando os rovers foram lançados tiveram o marketing e os milhões de pessoas em frente à TV que tiveram os astronautas que foram à Lua? Claro que não.

    Sondas não inspiram o povo.

    O risco de lançar homens/mulheres (que podem morrer) para um sítio pela primeira vez é que faz despertar consciências, é que faz ter milhões de pessoas "normais" interessadas, é que faz um miúdo de 10, 14, ou 17 anos anos querer seguir ciência para um dia ser ele a estar naquele sítio e a ser um pioneiro.
    ;-)

  4. Luís Lopes

    Acho que disseste a palavra chave: "marketing".

    Não tens mais retorno científico do que com missões robotizadas. Tens mais visibilidade e provavelmente financiamento futuro devido ao envolvimento popular.

    Há tanto por fazer. Por exemplo, uma missão importantíssima e com retorno científico valioso seria uma sonda orbital em torno de Neptuno com eventual segunda sonda para pousar na superfície de Tritão. De uma só vez estudavas um gigante de gelo (e tinhas uma ideia mais clara sobre os exo-Neptunos que vamos encontrando por aí) e um objecto da cintura de H-K (Tritão).

  5. José Antunes

    Na minha opinião acho que a decisão foi acertada acerca do cancelamento das viagens à Lua, mas penso que o mediatismo de que a NASA necessita se encontra na 'tal' viagem a Marte. Quem é que não quer ver um humano pisar a superfície de outro planeta?

    Mudando de superfícies, tenho uma dúvida, já se sabia que caso o projecto Constellation avançasse, o Space Shuttle iria reformar-se este ano, e que a Rússia e outros países iriam suportar a ISS, mas com o cancelamento deste projecto gostaria se saber se os planos da NASA acerca dos Vaivéns se mantêm, porque não prolongar por mais 5 anos? Porque não manter os veículos como apoio?

    Desculpem se são perguntas ignorantes, mas queria só saber uma opinião :)

    Cumps. ;)

  6. Carlos Oliveira

    Olá,

    Claro que não são perguntas ignorantes!

    Nós próprios falamos aqui dessa hipótese há uns anos atrás… quase há 3 anos.

    Isto porque a Administração Bush (ainda era ele) sofreu algumas pressões para para esse prolongamento, e até houve estudos quanto a isso.

    O problema era que a decisão já tinha sido tomada há bastante tempo, levando por exemplo, a despedimentos de muitas pessoas após o Shuttle não andar mais. Os contratos de trabalho vão expirar, e as pessoas já têm outros sítios para ir trabalhar.

    Assim, já não se podia voltar atrás, e uma das razões era a parte administrativa.

    Há outras razões. Essa era uma delas.

    Ou seja, para mim, essa era uma boa hipótese, mas foi considerada demasiado tarde.

    Carlos

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>