«

»

Set 09

Via Láctea pode ter milhares de “bombas-relógio”

Alguns astrónomos suspeitam que as anãs brancas são mantidas coesas devido à sua alta velocidade de rotação. Quando elas diminuem de velocidade, explodem como supernovas tipo Ia.

“Os astrônomos calculam que haja três supernovas Ia na Via Láctea a cada 1.000 anos. Se uma super anã-branca leva milhões de anos para diminuir de velocidade e explodir, então os cálculos sugerem que pode haver dúzias dessas bombas-relógio em um raio de alguns milhares de anos-luz em torno da Terra, e muitas mais pela galáxia toda.”

Leiam mais sobre isto, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, e aqui.

Acerca do autor(a)

Carlos Oliveira

Carlos F. Oliveira é astrónomo e educador científico.
Licenciatura em Gestão de Empresas.
Licenciatura em Astronomia, Ficção Científica e Comunicação Científica.
Doutoramento em Educação Científica com especialização em Astrobiologia, na Universidade do Texas.
Criou e leccionou durante vários anos um inovador curso de Astrobiologia na Universidade do Texas.
É actualmente Research Affiliate-Fellow em Astrobiology Education na Universidade do Texas em Austin, EUA.
Trabalhou no Maryland Science Center, EUA, e no Astronomy Outreach Project, UK, recebeu dois prémios da ESA, e realizou várias palestras e entrevistas nos media.

3 comentários

  1. Luís Lopes

    Ainda não percebi qual é o mecanismo que provoca a supernova. Deveria ser a fusão explosiva do carbono no interior da estrela pois o resultado dessa fusão assenta como uma luva nas observações dos espectros e das luminosidades das supernovas de tipo Ia. No entanto, um colapso de uma anã branca com uma massa superior ao limite de Chandrasekhar deveria dar origem a uma estrela de neutrões, pois a massa não é suficiente para continuar o colapso. Alguma coisa tem de acontecer à estrela neste mecanismo proposto que a impede de colapsar numa estrela de neutrões e despoleta a fusão explosiva do carbono, com a consequente explosão da estrela, antes de colapso poder ocorrer. É isto que ainda não percebi e não é de todo claro nas notícias.

  2. Luís Lopes

    Acho que já percebi. Estive a ver o artigo original e pelos vistos podem acontecer as duas coisas.

    A velocidade de rotação da anã branca aumenta num sistema binário devido à captura de massa proveniente de uma companheira (transferência de momento angular). Uma anã branca em rotação rápida pode manter-se estável para além da massa limite de Chandrasekhar (1.4 vezes a do Sol). Mais tarde, a transferência de massa termina e muitos milhões ou mesmo milhares de milhões de anos, a anã branca acaba por perder velocidade de rotação suficiente para não ser capaz de impedir a implosão provocada pela sua massa acima do limite de Chandrasekhar.

    A parte importante vem a seguir: **dependendo** do estado interno da matéria na anã branca ela poderá encetar a fusão explosiva do carbono e explodir como uma supernova de tipo Ia **ou alternativamente** poderá colapsar numa estrela de neutrões (por exemplo, se os núcleos de carbono se organizaram numa rede cristalina).

    Resumindo: a importância deste cenário é a seguinte:

    1. é quase certo que as supernovas de tipo Ia resultam da explosão de anãs brancas – as evidências são fortíssimas nesse sentido: espectros, luminosidades, distribuição pelas populações estelares, etc.

    2. para uma anã branca explodir é necessário que ganhe massa de uma companheira e portanto faça parte de um sistema binário.

    3. Que tipo de estrela companheira poderá ser ? Há duas hipóteses: uma outra anã branca ou uma estrela normal. O segundo cenário era o mais favorecido até recentemente.

    4. Problema. Os espectros de supernovas de tipo Ia não mostram a presença de linhas que deveriam existir devido ao gás da estrela companheira normal. A procura por estas linhas tem sido exaustiva e não foram encontradas.

    5. Logo, a companheira não poderá ser uma estrela normal, pelo menos na altura em que a anã branca explode. Isto implica que a companheira terá de ter tempo de evoluir até ser uma anã branca antes de a anã branca a quem forneceu massa explodir. Mas como é possível atrasar a explosão da anã branca inicial de tal maneira que a estrela companheira possa evoluir o suficiente para o seu gás não ser visível no espectro da supernova ?

    6. A resposta é o mecanismo proposto pelos autores. A anã branca ao receber massa passa a rodar mais depressa e consegue manter-se estável mesmo com uma massa ligeiramente acima do limite de Chandrasekhar. A transferência de massa pára, a companheira evolui e a anã branca perde velocidade de rotação. Isto demora **muito tempo**. Quando a anã branca atinge uma velocidade de rotação suficientemente baixa, deixa de ser estável e explode ou colapsa.

    7. Desta forma os autores conciliaram os dois modelos: as companheiras das anãs brancas que explodem podem ser estrelas normais, mas quando as supernova ocorrem já evoluiram e transformaram-se em anãs brancas também.

    ;-)

    Clever … Vai ser giro ver isto testado por observações !

    1. Carlos Oliveira

      Excelente explicação por pontos, Luis :)

      Cheers!!!! :)

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>